Segunda-feira, 10 de Janeiro de 2011

O porta-bagagens

Para contrariar um pouquinho o tema quente da actualidade - é que não há outro assunto na boca do povo! - atrevo-me a contar a segunda história gira (?) que passei com o meu primeiro carro.

 

O porta-bagagens do meu primeiro carro era um verdadeiro armazém. Códigos, pastas de trabalhos e relatórios de um estágio já terminado, manuais, casacos, uma toalha de praia e pouco mais, que o porta-bagagens era bem pequenino. Confesso que não o usava muito (o porta-bagagens, entenda-se).

 

Ora, houve um período da minha vida em que entrar e andar no meu carro era uma experiência difícil, principalmente para quem tivesse nariz sensível (eu na altura era fumadora inveterada, pelo que cheirar, cheirava, mas conseguia aguentar o "tranco"). Cada vez que pretendia entrar no meu carro, abria primeiro as janelas para arejar e só depois é que entrava. E  as pessoas que andavam comigo de carro (um número considerável, em boa verdade), já sabiam o que fazer: deixar o carro arejar e depois esperar que a viagem fosse rápida o suficiente para não enjoarem durante o trajecto. Todos comentavam comigo que aquele cheiro era insuportável. E eu não podia concordar mais. No entanto, estava seriamente desconfiada que tinha um animal morto no porta-bagagens e estava com uma séria falta de coragem para fazer a limpeza necessária.

 

Até que, passados uns largos meses (assim, o tempo de ter a criança) uma amiga minha disse: Lourencinha, isto não pode ser, vamos limpar o carro! E assim acompanhada lá acedi. Começámos a tirar as coisas que se encontravam mais à vista. E fomos limpando, limpando. Isto vai para o lixo, isto vai para lavar, isto vai para arquivar, até que essa minha amiga pega num saco fechado, do qual saía um cheiro nauseabundo. E lá dentro pudemos encontrar dois queijos (podres!). Precisamente os queijos que o irmão dela tinha comprado, há valentes meses atrás, para uma festa a que fomos.

 

Estava resolvido assim o mistério do pivete e do pseudo-animal morto dentro da minha bagageira!

 

Percebem agora porque é que eu precisava de coragem para contar isto?

publicado por Lourencinha às 15:24

link do post | dar sentença | favorito
|
2 sentenças:
De Margot a 10 de Janeiro de 2011 às 17:25
ahahah! Antes isso, do que ser realmente um animal morto!!!
Mas sendo queijo, imagino o cheiro. se eles já cheiram mal quando não estão podres...
De Lourencinha a 10 de Janeiro de 2011 às 17:30
Era muito mau, de facto... :-)

dar sentença

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. ...

. ...

. Da casmurrice

. Free Hugs in Lisbon

. Da ZON

. Querem ver?

. Por acaso,

. Pois...

. Amazing

. Olá, voltei!

.arquivos

. Junho 2014

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

.tags

. todas as tags

.links

.Espreitadelas

Powered by website analytics technology.

.Quem está cá

online

.Quem me linka

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Todas as fotos tiradas da net, estão devidamente identificadas (desculpem, mas nem sempre consigo perceber quem é o respectivo fotógrafo).

Os textos que não forem da minha autoria, também serão devidamente identificados.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.
blogs SAPO

.subscrever feeds